terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Amor é propriedade. Sexo é posse. Amor é a lei; sexo é invasão.

O amor é uma construção do desejo. Sexo não depende de nosso desejo; nosso desejo é que é tomado por ele. Ninguém se masturba por amor. Ninguém sofre com tesão. Amor e sexo, são como a palavra farmakon em grego: remédio ou veneno - depende da quantidade ingerida.
O sexo vem antes. O amor vem depois. No amor, perdemos a cabeça, deliberadamente. No sexo, a cabeça nos perde. O amor precisa do pensamento. No sexo, o pensamento atrapalha.
O amor sonha com uma grande redenção. O sexo sonha com proibições; não há fantasias permitidas. O amor é o desejo de atingir a plenitude. Sexo é a vontade de se satisfazer com a finitude. O amor vive da impossibilidade - nunca é totalmente satisfatório. O sexo pode ser, dependendo da posição adotada. O amor pode atrapalhar o sexo. Já o contrário não acontece. Existe amor com sexo, claro, mas nunca gozam juntos.
O amor é mais narcisista mesmo, entrega na 'doação'. Sexo é mais democrático, mesmo vivendo do egoísmo. Amor é um texto. Sexo é um esporte. Amor não exige a presença do 'outro'. O sexo, mesmo solitário, precisa de uma 'mãozinha'. Certos amores nem precisam de parceiro; florescem até na maior solidão e na saudade. Sexo, não - é mais realista. Nesse sentido, amor é uma busca de ilusão. Sexo é uma bruta vontade de verdade. O amor vem de dentro, o sexo vem de fora. O amor vem de nós. O sexo vem dos outros. 'O sexo é uma selva de epilépticos' (N. Rodrigues). O amor inventou a alma, a moral. O sexo inventou a moral também, mas do lado de fora de sua jaula, onde ele ruge.
O amor tem algo de ridículo, de patético, principalmente nas grandes paixões. O sexo é mais quieto, como um caubói - quando acaba a valentia, ele vem e come. Eles dizem: 'Faça amor, não faça a guerra'. Sexo quer guerra. O ódio mata o amor, mas o ódio pode acender o sexo. Amor é egoísta; sexo é altruísta. O amor quer superar a morte. No sexo, a morte está ali, nas bocas. O amor fala muito. O sexo grita, geme, ruge, mas não se explica.
O sexo sempre existiu - das cavernas do paraíso até as 'saunas relax for men'. Por outro lado, o amor foi inventado pelos poetas provençais do século XII e, depois, relançado pelo cinema americano da moral cristã.
Amor é literatura. Sexo é cinema. Amor é prosa; sexo é poesia. Amor é mulher; sexo é homem - o casamento perfeito é do travesti consigo mesmo. O amor domado protege a produção; sexo selvagem é uma ameaça ao bom funcionamento do mercado. Por isso, a única maneira de controlá-lo é programá-lo, como faz a indústria da sacanagem. O mercado programa nossas fantasias.
Não há 'saunas relax' para o amor, onde o sujeito entre e se apaixone. No entanto, em todo bordel, finge-se um 'amorzinho' para iniciar. O amor virou um estímulo para o sexo.
O problema do amor é que dura muito, já o sexo dura pouco. Amor busca uma certa 'grandeza'. O sexo é mais embaixo. O perigo do sexo é que você pode se apaixonar. O perigo do amor é virar amizade. Com camisinha, há 'sexo seguro', mas não há camisinha para o amor.
O amor sonha com a pureza. Sexo precisa do pecado. Amor é a lei. Sexo é a transgressão. Amor é o sonho dos solteiros. Sexo, o sonho dos casados.
Amor precisa do medo, do desassossego. Sexo precisa da novidade, da surpresa. O grande amor só se sente na perda. O grande sexo sente-se na tomada de poder. Amor é de direita. Sexo, de esquerda - ou não, dependendo do momento político. Atualmente, sexo é de direita. Nos anos 60, era o contrário. Sexo era revolucionário e o amor era careta.
*
(Crônica de Arnaldo Jabor que inspirou a música de Rita Lee e Roberto Carvalho "Amor e Sexo")

6 comentários:

  1. À noite, palavras sem nexo
    Transcendem a sexo
    Não falo, murmuro
    Preparo o mergulho
    No teu doce mar.
    À noite, o quarto é escuro
    Mas há um contra-senso
    Um brilho intenso
    A luz é tão forte
    Que pode cegar
    Dois corpos
    Tochas lampejantes
    Se fundem em um só corpo
    Tão forte é o enrosco
    Que faz delirar
    Me perco, no tempo e no espaço
    No teu doce abraço
    Não sei o que faço
    É só frenesi
    Me deixo levar...
    (autor desconhecido)

    Beijos com muito e muito amor

    Armando

    PS: Ferias alias bem merecidas (acorda tarde então) hehehehe espero então que assim que vc acordar possa ver este comentário, e sentir de coração o quanto lhe quero bem e desejo tudo de bom pra vc.

    PS2:Tenha um lindo dia e uma semana repleta de alegrias e felicidades.Te amooo ainda mais, pela coragem, força, carinho e sensibilidade.

    ResponderExcluir
  2. Armando, meu doce Armando!

    "Eis o meu segredo: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos. Os homens esqueceram essa verdade, mas tu não a deves esquecer. Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas." (Antoine de Saint-Exupéry)

    PS: E só uma alma doce e sensível como a sua consegue passar por cima de todos os meus defeitos, que são muiiiiitos, e enxergar-me com o coração! Confesso que pessoas que conviveram comigo durante anos, não sentiram um terço desta Daniela que se esconde muitas vezes, que interpreta, por incapacidade de lidar com determinada situação, que se engana porque sente medo sim!!! Mas que quando ama, ama... Mesmo não sabendo amar direito!
    Dormi o ‘sono dos justos’... (HAHAHAHA) E acordei com você e seu poema e suas palavras e toda a sua entrega de Pensamentos... QUE DELÍCIA!!!!!!
    Meu dia não poderia começar melhor...
    Amo-te porque meu coração o ama!
    Que a Força esteja presente em nossas vidas sempre!!!
    Beijos e muitos beijos doces para você meu estimado amor...
    Sua Dani

    ResponderExcluir
  3. Há coisas que nunca se poderão explicar por palavras.

    (José Saramago).

    A semelhança entre os primeiros raios a anunciar o
    despertar da manhã...
    ...e os derradeiros raios a proclamar o definhar de
    mais um dia.
    Quantos dias ainda nos esperam?
    Quem os saberá?
    A única certeza é a brevidade da vida terrena...

    A fragilidade de ontem, e a fragilidade de amanhã...
    Os dias se sucedem e não se repetem.
    Cada dia, cada hora é única e preciosa.
    O grande silêncio da alma das crianças, e o grande
    silêncio da alma dos anciãos.
    O silêncio que tanto ensina àquele que se dispõe a ouvir.

    A mãe e o filho.
    As irmãs.
    A atenção da irmã mais velha.
    A alegria da irmã mais nova.
    Memórias poéticas que o tempo não apagará.
    Vivemos meses, dias e anos...
    E disso tudo, guardaremos com mais carinho os
    instantes que compõem a nossa memória poética.

    Aquilo que a nossa alma registrou, que nos encantou,
    que nos comoveu... o que dá beleza a nossa vida.
    A cena imóvel, inpertubável, fora do tempo.
    Memórias que não morrem jamais.
    Instantes que passam a fazer parte de nossa alma.

    As irmãs que brincam, a leve brisa, o sol da manhã...
    Para uma mãe, o filho, mesmo quando adulto, é, e sempre
    será a criança pequena que um dia foi.
    As breves décadas de vida que separam as idades dos pais
    e dos filhos.
    O que são trinta anos diante da eternidade?...

    Para quem passou dos setenta, aquele que carrega
    quarenta ainda é uma criança.
    O inconsciente familiar,
    - histórias e memórias compartilhadas...
    Os passos de alguém à procura de alguém...
    Os passos daquele que carrega o peso de muitos anos.

    Educar as futuras gerações nas leis do Amor e da Bondade,
    da Ternura e da Compaixão.
    O suave sono dos inocentes.
    A mãe que vela o sono da filha tão amada...

    A infância que deve ser respeitada, amada e protegida
    acima de todas as coisas.
    Mesmo a ferida mais simples tem importância...
    E em meio à agitação da vida moderna, reservar um
    tempo para a reflexão.
    Peregrinar por terras candentes e áridas, afim de descobrir
    o mar que jamais vimos e que por isso ainda não podemos
    compreender.

    Acender a brasa interior da contemplação e da oração
    diuturnamente para que nunca se apague.
    A conscientização do valor do amor, da compaixão e da
    importância da promoção da dignidade humana.

    As horas fugazes da vida terrena, e a vivência do
    mistério divino.
    Ao fim da nossa caminhada terrena, levaremos conosco
    apenas o essencial.
    As memórias poéticas que embelezam e dão sentido à vida.
    A caridade, a bondade, a pureza de coração...
    A brisa, o mar, a imensidão...

    ResponderExcluir
  4. (...) O silêncio que tanto ensina àquele que se dispõe a ouvir.

    (...) Peregrinar por terras candentes e áridas, afim de descobrir
    o mar que jamais vimos e que por isso ainda não podemos
    compreender.

    (...) Os passos de alguém à procura de alguém...
    Os passos daquele que carrega o peso de muitos anos.

    (...) O que são trinta anos diante da eternidade?...

    PS: Amei!!!!! Carla muito grata por sua visita e pelo Pensamento que me deixou assim... Em profunda reflexão!!!!!!

    Beijos mil,
    Dani

    ResponderExcluir
  5. PS3: Dani, minha doce e querida Dani

    Suas palavras sempre tocam meu coração de uma forma que me eleva, inspira, emociona e me indica o caminho cheio de luz.

    Mas confesso que vivia na escuridão sim, aquela de não me mostrar, e nem demonstrar o que sentia realmente, de me expor, e mergulhei no inferno por conta de tudo isto.

    Como Amélie Poulain que se engajou na realização de pequenos gestos a fim de ajudar e tornar mais felizes as pessoas ao seu redor. Ela ganhou aí um novo sentido para sua existência.

    Pensei nisto o fato de vc acordar e se sentir bem e feliz passa a ser muito importante para mim, agora se houver duvidas e incertezas vc sabe que tem um amigo que torçe e acredita que vc ira sempre superar tudo no caminho da luz.

    Beijos e sempre muitos Beijos com amor.

    Armando

    ResponderExcluir
  6. Não assisti a este filme... Aliás, não vejo filmes desde sei lá quanto tempo!!!
    Todas as minhas fases são radicais e duram o tempo que tiver que durar, não adianta eu tentar, forçar alguma coisa...
    Sabe tudo que dizem os especialistas não funcionam comigo! Vivo entre os extremos e tenho consciência de que isto não é legal... Sou muito intensa e o contrário pode me aprisionar dependendo das experiências que tenho ou tive... Por isso talvez me fechei pra filmes e para outras tantas coisas que amo!
    Existem fatos que ainda não superei e não digo a ninguém porque tenho consciência do que tem me afastado do "mundo" e de muitos que amo muito, muito! E não tenho tendência a ser vítima!
    Acredito no tempo... Sempre acreditei... Não me esforço para mudar quando percebo que ainda não estou pronta! E isto me faz lembrar frases de uma música do Raulzito "Meu amigo Pedro":

    (...) VAI PRO SEU TRABALHO TODO DIA
    SEM SABER SE É BOM OU SE É RUIM
    QUANDO QUER CHORAR VAI AO BANHEIRO...

    (...) Tente me ensinar das tuas coisas
    Que a vida é séria, e a guerra é dura
    Mas se não puder, cale essa boca, Pedro
    E DEIXA EU VIVER MINHA LOUCURA...

    PS: Sinto o quanto torce por mim e sou imensamente feliz por isto também!!!!
    O Universo tem conspirado a minha vida toda pra que eu sempre reencontrasse seres como você e às vezes sozinha dou risada olhando pro céu dizendo esta foi toda a minha sorte!!!!!

    Para Armando,
    Com amor,
    Dani

    ResponderExcluir